Calendário

Agosto 2017
D S
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31

Editais

Galeria de Fotos

BIR 7779

Vídeos

vainer

 

2017 marca os 100 anos da Revolução Russa, um evento histórico que redefiniu os caminhos da história contemporânea. Ao longo deste ano, um conjunto de universidades e entidades sindicais e da sociedade civil vão promover o Ciclo 1917-2017: O Ano que Abalou a História. O primeiro evento deste ciclo é o seminário “A Revolução e a América Latina”, que acontece de 20 a 22 de junho, na UFRJ.

No meio da carnificina deflagrada pela I Guerra Mundial, resultado de embates entre impérios, potências emergentes e poderosos interesses econômicos nacionais e internacionais, a Revolução Russa anunciou a possibilidade de uma nova era: de paz, de solidariedade entre os povos, mas também de fim de toda a exploração, discriminação, opressão – de classe, raça, gênero e colonial.

Estes objetivos não foram alcançados, mas a repercussão da Revolução Russa foi universal. Entre as classes populares, nos sindicatos e partidos políticos, na juventude, em todos os continentes, em todos os países, na América Latina e no Brasil, mudanças radicais preconizadas ecoaram pelos revolucionários russos sob o lema “Pão, Paz e Terra”. Dentre essas mudanças, estão incluídos o poder aos sovietes, terra aos camponeses, fim imediato da guerra, controle operário e liberdade para as nações autodeterminarem seus destinos.

O pensamento e a ação dos socialistas foram sempre um fator decisivo, seja na luta contra o nazismo na II Guerra Mundial, nas lutas anticoloniais, nas conquistas educacionais e culturais e nos avanços em termos de direitos igualitários em relação às condições de vida  nos países do chamado “socialismo real”, e nos direitos trabalhistas e sociais conquistados nas sociedades capitalistas.  

Por outro lado, a história dos países do chamado “socialismo real” foi também uma história de autoritarismo, burocratização e culto à personalidade. Além disso, ocorreram graves atentados à liberdade de organização e expressão, perseguições e assassinatos de dissidentes, irresponsabilidade ambiental, apoio a regimes ditatoriais e de subordinação de partidos e movimentos de todo o mundo devido a interesses geopolíticos e econômicos do estado soviético.

O século XX, que começou com uma grande guerra e uma revolução, terminou assistindo ao ocaso das sociedades e estados do “socialismo real”, seguido, em quase todos os países que se proclamaram alguma vez “socialistas”, pelo restabelecimento das formas de produção e reprodução do capitalismo.

Para os que não abdicaram das lutas pela igualdade e pela liberdade, que ainda acreditam na história como um campo de possibilidades, inclusive de superação da miséria, da exploração, das desigualdades e de todas as formas de opressão e discriminação, os caminhos e descaminhos, encantos e desencantos da primeira experiência de construção do socialismo são ainda hoje objeto de controvérsia e debate. 

Há muito para celebrar, grandes feitos e combates heroicos para relembrar e realizações a serem registradas e resgatadas. Há também muito o que refletir, pesquisar, compreender e avaliar em relação a dogmas, conceitos, propostas. Concepções devem ser revistas e novos caminhos inventados para seguir na direção de uma sociedade livre e  igualitária,  fazendo com que a aventura humana da solidariedade, do buen vivir e da liberdade possam ser uma experiência universal, compartilhada por homens e mulheres de todos os povos.

Frente aos desafios da contemporaneidade, aos  que pretendem proclamar o “fim da história” e ignorar os anseios de mudanças que não deixam de surgir, professores e pesquisadores de diferentes universidades se unem a movimentos sociais num esforço integrado e cooperativo para celebrar o centenário do Ano que Abalou  a História, olhando criticamente para o passado e vislumbrando os sinais e as promessas de futuro que estão presentes em nossa sociedade e em suas lutas.

Acesse a programação completa e realize a inscrição antecipada.

Nos dias 20 e 22 de junho, as atividades do Seminário acontecem no Salão Pedro Calmon (Palácio Universitário da UFRJ), no Campus da Praia Vermelha – Av. Pasteur, 250, Urca.

E no dia 21 de junho, no Salão Nobre da Decania do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da UFRJ – Largo de São Francisco, s/nº, Centro.

 

Clécia Oliveira

UFRJ Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ